Colabore com a vida escolar do seu filho

Sim, ele precisa de ajuda, e a sua é mais importante de todas. Participe organizando a rotina e incentivando o hábito do estudo

Olá!
A partir do mês de agosto, compartilharei  dicas de textos interessantes para o acompanhamento da vida escolar de nossas crianças.
Um ótimo semestre a todos!
Abraços,
Adriana

20/01/2015 14:50

Texto Cynthia Costa

Educar

 

A atitude da família ajuda a criança a organizar os estudos

As aulas voltaram, e é hora de começar com o pé direito e muito entusiasmo. E qual é o seu papel nessa história? O de ajudá-lo na jornada, valorizando os estudos e o assistindo no que for necessário.
“A atitude da família é estruturante”, define a psicopedagoga Maria Teresa MessederAndion, psicopedagoga e mestre em psicologia do desenvolvimento humano, do ensino e da aprendizagem. O que isso significa? Que, sob a batuta de pais que orquestram um dia a dia saudável e estimulante, é muito mais provável que a criança se saia bem nos estudos.
Com a ajuda de especialistas, elegemos maneiras práticas de você colaborar. Trabalhando juntos, o resultado com certeza será um sucesso!

  • MONTE UM CALENDÁRIO

Comece este semestre letivo organizando-se. Junto com o seu filho, monte uma agenda de segunda a sexta-feira, na qual constem todos os horários, cursos extracurriculares e o período dedicado à lição de casa. Esse cartaz dá a ele uma noção de tempo e espaço e, além disso, segui-lo é uma forma de mostrar aos pais que tem responsabilidade, e de se sentir valorizado por isso. “Esse calendário pode ser feito de maneira lúdica, com canetinhas coloridas e até desenhos, dependendo da idade da criança”, sugere a psicopedagoga Maria Teresa MessederAndion.

  • FAÇA O ACOMPANHAMENTO

“A criança que não tem o hábito do estudo tem de adquiri-lo”, constata a psicopedagoga Paula Furtado. Como? Sendo supervisionado pelos pais em casa. A especialista acredita, com base em estudos neurológicos, que 12 semanas de acompanhamento constante são suficientes para assimilar um novo comportamento. Durante esse período, observe se seu filho faz a lição de casa, tira um tempinho para estudar as matérias e lê livros. Passados os três meses, você verá como ele estará mais apto a administrar seus estudos.

  • GARANTA BOAS NOITES DE SONO

A rotina em casa tem tudo a ver com o rendimento dos pequenos na escola. Descansada, a criança tem mais disposição para aprender. Sempre com sono e mal-humorada, por outro lado, pode acabar vendo a escola como um estorvo. “O ideal é que a criança durma entre 9h e 10h por noite, pois se movimenta muito durante o dia”, aconselha Marli Veríssimo, coordenadora pedagógica do colégio KinderKampus, de São Paulo. O conselho aqui é: tome conta para que seu filho durma cedo e acorde bem disposto no dia seguinte.

  • FALTAS

Ir à escola é a premissa de todos os dias da criança – essa é a atividade principal de sua vida. Faltas, com raras exceções, só devem ser permitidas em caso de doença ou perda de um ente querido. Quando não vai à escola, a criança perde oportunidades de aprendizado e de socialização.

  • LIÇÃO DE CASA

Nunca faça a lição para o seu filho, até porque é importante que o professor saiba como ele está se saindo nos exercícios. Mas esteja sempre por perto – ou, quando chegar do trabalho, pergunte a respeito – para ler os enunciados em voz alta, tirar dúvidas e incentivá-lo a pesquisar mais sobre o assunto. Tome conta para que ele faça a lição em um local silencioso e bem iluminado.

  • INCENTIVE A LEITURA

Uma família que ama os livros e lê jornais e revistas cotidianamente certamente estimula o filho a ler também. Afinal, se a leitura é natural naquele ambiente, por que não seria para ele? Leia para o seu filho e também na frente dele e incentive-o a ler dando livrinhos de presente, levando-a a bibliotecas e livrarias e conversando sobre histórias lidas e vistas nos filmes. Tudo isso vai transformá-lo em um leitor apaixonado, o que é essencial para que aprenda mais na escola, seja um cidadão mais consciente e, inclusive, uma pessoa mais feliz. Como diz o ditado, quem lê nunca está sozinho.

  • DEIXE BILHETINHOS

A escrita, que é a maneira como seu filho será avaliado durante toda a sua vida escolar, também é fundamental. E não é só em classe que ele deve escrever. Estimule a comunicação por meio de bilhetes em sua casa – você pode até comprar uma lousa para deixar na cozinha ou na sala – e peça para seu filho também deixar bilhetes para você. Além disso, deixe que ele ajude na hora de fazer a lista do supermercado, brinque com ele de jogos que envolvam escrita (como o Stop) e dê a ele um diário.

  • APROXIME-SE DA ESCOLA

Se você quer mesmo colaborar com a vida escolar de seu filho, a instituição onde ele estuda tem de ser muito bem conhecida por você. Participe das reuniões, agende horários para conversar com coordenadores e professores, enfim, entenda que metodologia é usada e informe-se sobre tudo que se passa ali. Assim, você estará por dentro do funcionamento da entidade e dos valores cultivados ali quando seu filho comentar algo em casa. Além disso, sabendo que seus pais são envolvidos, ele tenderá a valorizar mais seu local de estudo.

  • MANTENHA A ESCOLA INFORMADA

Para que professores e coordenadores possam lidar bem com possíveis dificuldades ou singularidades do seu filho, é importante que saibam o que se passa em casa. Não tenha receio de compartilhar crises familiares, perdas de entes queridos etc. Assim a escola tem todos os dados de que precisa para compreender o seu filho como um ser humano completo, com vida escolar e pessoal.

Como ensinar a seu filho que ler é um prazer

Dicas para incentivar seu filho a ler todos os dias e, assim, ter amor pelos livros

18/02/2013 14:52
Texto Redação Educar

Educar

 

Pesquisas mostram que quanto mais cedo se começa ler maiores são chances de se tornar um leitor assíduo

Pesquisas mostram que quanto mais cedo se começa ler maiores são chances de se tornar um leitor assíduo

Pesquisas do mundo todo mostram que a criança que lê e tem contato com a literatura desde cedo, principalmente se for com o acompanhamento dos pais, é beneficiada em diversos sentidos: ela aprende melhor, pronuncia melhor as palavras e se comunica melhor de forma geral. “Por meio da leitura, a criança desenvolve a criatividade, a imaginação e adquire cultura, conhecimentos e valores”, diz Márcia Tim, professora de literatura do Colégio Augusto Laranja, de São Paulo (SP).

A leitura frequente ajuda a criar familiaridade com o mundo da escrita. A proximidade com o mundo da escrita, por sua vez, facilita a alfabetização e ajuda em todas as disciplinas, já que o principal suporte para o aprendizado na escola é o livro didático. Ler também é importante porque ajuda a fixar a grafia correta das palavras.

Quem é acostumado à leitura desde bebezinho se torna muito mais preparado para os estudos, para o trabalho e para a vida. Isso quer dizer que o contato com os livros pode mudar o futuro dos seus filhos. Parece exagero? Nos Estados Unidos, por exemplo, a Fundação Nacional de Leitura Infantil (National Children’s Reading Foundation) garante que, para a criança de 0 a 5 anos, cada ano ouvindo historinhas e folheando livros equivale a 50 mil dólares a mais na sua futura renda.

Então, o que está esperando? Estimule seu filho a embarcar na aventura que só o bom leitor conhece. Você pode encontrar boas dicas de livros na página biblioteca básica de leitura!

Segue atividade  com leitura e entendimento de texto… Beijinhos e boa semana!!!

Texto7a-Licao1

Como proteger as crianças do consumismo

Até os 12 anos, a criança não possui senso crítico para entender o significado da publicidade. Em casos extremos, o consumismo pode levar a problemas como obesidade infantil e erotização precoce

06/10/2014 10:19

Texto Camilo Gomide

Educar

 

Por estarem mais próximos, pais e educadores são os principais atores para orientar as crianças

Por estarem mais próximos, pais e educadores são os principais atores para orientar as crianças

Fazer compras na companhia das crianças já é difícil. No Dia das Crianças ou no final de ano, então, é quase impossível. As indústrias de brinquedo se programam para lançar novidades nessas datas justamente para conquistar o desejo dos pequenos, que encaminham suas demandas aos pais. Além das lojas cheias, a insistência dos filhos em comprar tudo e mais um pouco pode fazer alguns pais quererem desistir.

Uma família é incapaz de combater essa indústria que gasta anualmente bilhões de dólares para manipular seus filhos. Fato. A soma delas, no entanto, pode lutar por uma abordagem mais ética desse sistema que induz indivíduos desprovidos de senso crítico a comprar compulsivamente. Além disso, é possível adotar dentro de casa e na escola atitudes para proteger as crianças dos males causados pelo bombardeio publicitário. Impor limites, dialogar e refletir sobre a própria postura como consumidor são algumas das possibilidades.

O que você pode fazer?

Toda a sociedade pode contribuir de alguma forma, mas pais e educadores são os principais atores dessa causa por estarem envolvidos diretamente com as principais vítimas dos abusos da publicidade.

Abaixo, Laís Fontenelle Pereira, psicóloga e coordenadora de educação e pesquisa do projeto Criança e Consumo do Instituto Alana traz algumas dicas interessantes:

 

*Os pais não podem dar duplo comando: ter um discurso diferente da prática. Fazer um combinado com o filho na hora de ir às compras e sair do shopping cheio de sacolas. Tem que ser coerente”, diz Laís Fontenelle Pereira, psicóloga e coordenadora de educação e pesquisa do projeto Criança e Consumo do Instituto Alana. .

**A principal porta de entrada da publicidade infantil nas famílias brasileiras é a televisão. Estar atento ao tempo que seu filho está gastando em frente da tela é fundamental. “Criança brasileira chega a assistir até 5 horas de TV por dia. Tem que limitar o número de horas não só pela publicidade, mas até para não ter hábitos tão sedentários”,

***Atividades conjuntas são uma boa alternativa à televisão e a idas ao shopping. Jogos de tabuleiros, brincadeiras de rua, passeios a parques, bibliotecas e teatros, ler juntos, além de manter seus filhos longe da influência dos comerciais são atividades importantes para o desenvolvimento da criança.

****É importante explicar a seu filho que a publicidade tem como objetivo fazer com que ele compre produtos nem sempre necessários. E que para isso, muitas vezes, tentam criar hábitos e valores que não são saudáveis para uma criança.

 

Texto extraído do site: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/serve-licao-casa

 

Para conferir o texto na íntegra, acesse o site.

Beijos,

Adriana

 

Confira abaixo a  sugestão de Atividade da Semana:

Texto6-Licao1

Como tornar seu filho um cidadão

É possível ensinar aos filhos noções de bom comportamento para com os outros membros da sua comunidade e para com a cidade?

07/05/2014

Educar

 

img-texto5_460x290

“O melhor lugar para ensinar cidadania é exatamente esse: com seu filho, dentro de casa e nas relações que ele estabelece e aos poucos vai ampliando”, diz a pedagoga Renata Queiroz de Moraes Americano.

 

Como em vários dias da semana, o pai buscou a filha na escola. Acomodou-a na cadeirinha, no banco de trás do carro, e começou o trajeto de volta para casa. Havia trânsito. Depois de pegar alguns semáforos fechados, assim que surgiu a luz verde, o pai ouviu, em alto em bom som, vinda da cadeirinha, a voz de sua filha:

-“Vai, mulher lerda!”

A menina, de 4 anos, nem se abalou ao ver o pai virar-se, espantado. Afinal, não era assim mesmo que ele fazia? Já o pai foi dormir naquela noite revendo alguns conceitos…

Essa pequena história, real, serve para ilustrar um fato mais do que comprovado: crianças aprendem imitando o comportamento dos adultos, vendo como estes agem e reagem – e não seguindo seus conselhos ou ensinamentos. Portanto, se você pretende ter um filho preocupado com o bem comum, ciente do outro e bom cidadão, não há outro jeito a não ser começar a seguir essa trilha você mesmo.

De nada adianta pedir calma aos filhos e agir feito um desesperado ao volante. Falar às crianças que elas devem ser legais com os amigos e dividir os seus brinquedos se somos os primeiros a furar fila, trafegar pelo acostamento ou largar o carrinho do supermercado dentro do elevador para que outro o leve até a garagem quando dá preguiça. Pode ter certeza: seus filhos vão tratar os outros, e a cidade, exatamente como você os trata. E devolverão consideração ou desrespeito na mesma medida em que os recebem.

Mas, afinal de contas, o que é essa tão falada cidadania? O conceito, que surgiu na Grécia Antiga, designa os direitos e deveres de todos os que vivem nas cidades. Alguns estão expressos em leis, como os direitos civis ou políticos. Outros simplesmente fazem parte das regras de bom senso e de convivência que cada comunidade adota. Em poucas palavras, a questão é simples: para usufruir do monte de benefícios que o viver em comunidade traz, é preciso, também, dar de volta, obedecendo regras estabelecidas e honrando deveres que garantem que o bem comum e os direitos dos outros também sejam preservados.

Muito fácil ensinar isso aos filhos nestes tempos de individualismo extremo, de corrupção, de desrespeito ambiental e social, né?, dirão vocês. De fato, não é. Mas ninguém falou que seria fácil desenvolver a humanidade. O esforço civilizatório nunca foi bolinho, mas precisa ter início em algum lugar. “O melhor lugar para ensinar cidadania é exatamente esse: com seu filho, dentro de casa e nas relações que ele estabelece e aos poucos vai ampliando”, diz a pedagoga Renata Queiroz de Moraes Americano, da Escola Viva, em São Paulo. Assim, as noções vão sendo aprendidas, transferidas aos outros e, quem sabe, um dia, virem universais. Este planeta é nosso e a qualidade de vida nele, física ou socialmente, também depende de pequenas ações de nossa parte.

PARA SABER MAIS ACESSE : http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/como-filho-cidadao

SUGESTÃO DE  ATIVIDADE  DA  SEMANA:

Trabalho em grupo, trabalho do futuro

Cada vez mais, o mundo é construído por equipes. Prepare o seu filho desde cedo para ser um ótimo colaborador

31/03/2014 10:26

Educar

 

"O trabalho em equipe, na verdade, não é fácil para ninguém. Abrir mão do que pensamos ou queremos para dar lugar ao outro é um desafio para o ser humano", afirma a psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano. Foto: Aline Casassa

“O trabalho em equipe, na verdade, não é fácil para ninguém. Abrir mão do que pensamos ou queremos para dar lugar ao outro é um desafio para o ser humano”, afirma a psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano. Foto: Aline Casassa

“Hoje, as empresas trabalham com grandes projetos. Às vezes, até pagam bônus para equipes de destaque. Por isso, as crianças têm de aprender a colaborar com colegas desde cedo”, ressalta Paula Furtado, psicopedagoga e autora de vários livros. E não é só questão de se tornar um profissional competente. Quanto mais participativos e generosos formos, melhor para toda a sociedade.

É claro, porém, que isso parece mais fácil do que é. “O trabalho em equipe, na verdade, não é fácil para ninguém. Abrir mão do que pensamos ou queremos para dar lugar ao outro é um desafio para o ser humano”, afirma a psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano, de São Paulo. Por isso mesmo, essa habilidade tem de ser trabalhada, e muito!

Ao trabalhar em grupo, é importante expor o seu ponto de vista sem exaltação, e também ouvir os colegas – igualmente sem exaltação e com respeito. E que outro lugar seria melhor para aprender a fazer isso do que em casa, com a família? “A família deve funcionar como grupo, combinando regras e cumprindo-as, sem muito blábláblá”, aconselha a psicopedagoga Paula Furtado. Isso significa se reunir, conversar direta e claramente – sem levar tudo para o pessoal, nem passar horas em cada tópico – e chegar a combinados, por exemplo: quem sair da sala por último tira os aparelhos eletrônicos das tomadas; quem não tiver lição de casa fará companhia para a vovó; uma vez por semana, prepararemos o jantar todos juntos. Assim, a colaboração se torna algo natural para a criança.

Quer colaboração maior do que uma classe inteirinha tentando aprender uma lição? Participando de brincadeiras, preparando celebrações? O próprio sistema escolar é um grande exemplo de trabalho em grupo e, quanto mais o seu filho se sentir “pertencente” àquele mundo, melhor. Por isso, valorize a convivência escolar, emitindo opiniões positivas sobre colegas, professores e atividades e permitindo que seu filho participe das mais diversas experiências, como aulas extracurriculares e projetos de ajuda à comunidade organizados pela instituição, por exemplo.

Texto extraído do site: http://educarparacrescer.abril.com.br/

Para  conferir o texto na íntegra, acesse o site.

Beijos,

Adriana

 

Sugestão de Atividade da Semana:

  • Atividade extraída da internet para fins didáticos – autor desconhecido

Como preparar seu filho para conquistar os próprios sonhos?

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja

31/03/2014 09:42
Texto Adriana Carvalho

Educar

img-texto3_460x290

O primeiro passo para conquistar algo é acreditar que é possível. Se não, a pessoa desiste antes mesmo de tentar e o sonho não sai do plano da imaginação. Foto: Aline Casassa

Quais são os sonhos do seu filho? Independente da sua resposta, uma coisa é certa: determinaçãofoco e disciplina são habilidades essenciais para realizar qualquer objetivo. São elas que diferenciam aqueles que se comprometem até o fim dos que desistem no primeiro fracasso.

A psicóloga Angela Lee Duckworth, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, encontrou dois indicadores de sucesso na vida estudantil e profissional:autocontrole (capacidade de controlar impulsos e emoções) e determinação(capacidade de ter paixão e seguir um objetivo por um longo período de tempo). Ela descobriu que sem determinação, é mais difícil alcançar o sucesso na vida pessoal e profissional, mesmo com talento. “Existem muitos indivíduos talentosos que simplesmente não vão até o fim com seus compromissos”, disse na palestra

Você deve conhecer histórias de pessoas que conseguiram superar suas dificuldades com esforço e histórias de pessoas que tinham tudo para dar certo, mas se acomodaram com o que tinham e não sonharam alto ou não tiveram disciplina suficiente para chegar lá.

Determinação se aprende
A boa notícia é que todas essas características, como determinação, foco e disciplina podem ser aprendidas em casa, desde cedo. “A Educação deve capacitar as crianças para que possam aprender a realizar seus sonhos”, diz a educadora e doutora em Educação pela PUC-Rio Andrea Ramal.

Mesmo que não possam conquistar os sonhos pelo filho, os pais podem educar para que ele tenha as melhores condições conquistá-los, como ter “um espírito empreendedor, proatividade e capacidade de enfrentar as adversidades da vida sem desanimar”, descreve Andrea Ramal.

Texto extraído do site: http://educarparacrescer.abril.com.br/

 

AS DICAS DE ATIVIDADES PARA ESSA SEMANA SÃO 

CONTINHAS DE ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO.

(ATIVIDADES EXTRAIDAS DA INTERNET –AUTORIA DESCONHECIDA)

A importância de prestigiar seu filho

Comparecer às apresentações na escola, dar atenção e elogiar os esforços feitos pelo seu filho em suas atividades diárias é fundamental para a construção da auto-estima

01/09/2014 10:26
Texto Adriana Carvalho

Educar

 

Prestigiar os filhos em todos os momentos de sua vida é uma forma de ajudá-lo a construir a autoestima e a incentivá-lo a fazer conquistas. Foto: Aline Casassa

Prestigiar os filhos em todos os momentos de sua vida é uma forma de ajudá-lo a construir a autoestima e a incentivá-lo a fazer conquistas. Foto: Aline Casassa

 

Seu filho se esforça para fazer um bom trabalho na escola: recorta, cola, pinta, desenha. Nas datas especiais, passa semanas decorando suas falas para a peça deteatro ou ensaiando uma coreografia. Anima-se e fica ansioso com ascompetições de natação ou com o jogo de futebol. Mas no final o que ele quer se resume a uma coisa só: a atenção e a aprovação dos pais. Por isso é tão importante prestigiar suas atividades.

“A família é a primeira grande referência das crianças. Toda vez que elas fazem algo e dão o seu melhor, precisam que alguém reconheça a qualidade daquilo que foi realizado. E as pessoas mais importantes durante a infância são os pais”, afirma a especialista em educação Maria Cândida Muzzio, diretora pedagógica do Colégio Miró, de Salvador, e formadora de supervisores pedagógicos do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa.

“É muito importante o prestigio dos pais para a autoestima da criança, especialmente quando ela é bem pequena. A sua segurança se forma com grande participação da aprovação dos pais, a partir dos elogios que eles fazem a ela”, explica a psicóloga Bernardete Sanchez, do Colégio Paralelo, de São Paulo.

Uma boa autoestima é um caminho para um futuro com mais realizações. “Costumo dizer que a autoestima é sinônimo de destino. Quem tem uma autoestima elevada busca ir mais longe, tem mais segurança sobre seu potencial. Não adianta ter o potencial e não ter a autoestima suficiente para levar esse potencial adiante”, afirma ela.

E de que forma os pais podem prestigiar seus filhos? Dedicando tempo, atenção e participando das atividades dos filhos. E não apenas nos momentos de festa. É claro que é muito importante ir às apresentações da escola, mas seu filho também se sentirá prestigiado se perceber que você frequenta as reuniões de pais, porque com isso você estará demonstrando que acompanha e se preocupa com seu desempenho na escola.

http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/importancia-prestigiar-seu-filho-798543.shtml

PARA CONFERIR O TEXTO NA ÍNTEGRA, CONFIRA O SITE ACIMA.

 

SUGESTÃO DE ATIVIDADE DA  SEMANA

Zona  Urbana  e  Zona  Rural

 

Para que serve a lição de casa?

Descubra porque vale a pena motivar seu filho a fazer as tarefas enviadas para casa

08/05/2013 13:52 

Texto Luciana Fleury

Educar

 

"Uma das principais funções da lição é contribuir para a integração e interação entre aluno, professor e família" - Foto: Claudia Marianno

“Uma das principais funções da lição é contribuir para a integração e interação entre aluno, professor e família” – Foto: Claudia Marianno

 

Após um dia longo no trabalho, os pais ainda se veem diante de mais um compromisso: apoiar os filhos na realização da lição de casa. E o cansaço que surge neste momento faz muitos se perguntarem por que, afinal, a escola manda exercícios e trabalhos para serem feitos em casa e se realmente vale a pena tanto esforço (deles e dos filhos).

[av_one_third first]

[/av_one_third]

Para os especialistas em Educação, são várias as respostas para este questionamento e todas elas reforçam a importância do estudo no lar. Um dos pontos de defesa da lição de casa é, exatamente, o fato de ela proporcionar este momento do aluno com os pais. “Uma das principais funções da lição é contribuir para a integração e interação entre aluno, professor e família. Por meio dela é possível saber o que está acontecendo na sala de aula, qual o conteúdo que está sendo ministrado, o que está sendo cobrado e qual o grau de dificuldade ou facilidade que o filho está tendo com o tema”, esclarece Rose Mary Guimarães Rodrigues, professora do curso de Pedagogia da Unitri (Centro Universitário do Triângulo).

Há também, os aspectos inerentes ao aprendizado que são trabalhados pela lição de casa, como lista a psicóloga especializada em Educação Especial, Danila Coser, ao apresentar os motivos tradicionalmente apontados pelos professores para justificar a tarefa para o lar:

– Ajuda a reter o conteúdo apresentado
– Aumenta o entendimento dos temas
– Melhora o pensamento critico
– Desperta para autonomia e responsabilidade
– Colabora para ter uma organização voltada para o estudo

Texto extraído do site: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/serve-licao-casa-699519.shtml

Para conferir o texto na íntegra, acesse o site.

Beijos,
Adriana

 

 

Sugestões de Atividades da Semana: